menu logo

tamanho do texto:

Geodiversidade

gallery_thumbnail
zoom in

São Jorge, com aproximadamente 1,32 milhões de anos, resultou de atividade vulcânica basáltica fissural, daí a sua forma alongada com inúmeros cones vulcânicos do tipo estromboliano alinhados em direção ONO-ESE (oés-noroeste – lés-sudeste).

Em termos morfológicos, esta ilha é essencialmente planáltica, estando cerca de dois terços da sua superfície a altitudes que variam entre 300 e 800 metros e predominando a existência de declives muito acentuados a escarpados, nomeadamente nas arribas litorais, algumas das quais com cotas que rondam os 600 metros. É frequente, na base das arribas, a existência de pequenas áreas aplanadas ao nível do mar, as famosas fajãs, uma singularidade desta ilha.

As fajãs são o fenómeno geológico mais típico de São Jorge. Existem cerca de 74 em toda a ilha que se formaram por dois processos: as escoadas lávicas (lávicas), quando escoadas lávicas avançaram mar a dentro; e por movimentos de massa de vertente (detríticas), ou seja, quando por instabilização das arribas e pela ação erosiva há movimentação de detritos que se acumulam na base destas. Na zona oriental da ilha (a mais antiga), formaram-se as fajãs detríticas mais peculiares: a dos Cubres; a da Caldeira de Santo Cristo; a dos Vimes; a dos Bodes e a de São João.

São Jorge foi palco de diversas erupções históricas desde o seu povoamento. Os últimos fenómenos vulcânicos ocorridos na ilha foram as erupções subaéreas de 1580 e 1808 e a erupção submarina de 1964, a sudoeste dos Rosais.

Quer receber notícias nossas?

Respeita os termos do WCAG 2.00 AA