menu logo

tamanho do texto:

Caldeirão PRC2COR

Tipo: Circular
Dificuldade: Média
Distância: 4,8Km
Duração: 2h30
Altitude (Min / Máx): 401m / 558m

 

Como Chegar

Siga pela Estrada Regional em direção ao Caldeirão (cerca de 8 quilómetros), até encontrar o miradouro.



Equipamento Recomendado

Calçado apropriado para caminhadas, impermeável, chapéu, protetor solar e água.



gallery_thumbnail
zoom in

Galeria

Inserida na Área Protegida para a Gestão de Habitats ou Espécies da Costa e Caldeirão do Corvo, esta rota circular permite aceder a uma caldeira de colapso, implantada no topo do vulcão central e um dos principais geossítios da ilha. Este percurso desenrola-se a uma altitude compreendida entre os 400 e os 560 metros, sendo aconselhável percorrê-lo em dias de bom tempo e visibilidade. Ao longo do trilho é normal a presença de gado bovino, equino e caprino o qual não deve ser incomodado.

Inicie o percurso junto ao miradouro do Caldeirão e aproveite a perspetiva para o interior da caldeira onde, segundo a cultura local, a lagoa e os poucos cones vulcânicos fazem lembrar uma representação das nove ilhas dos Açores. O caminho serpenteia para o interior da caldeira por entre flora dominada por musgão (Sphagnum sp.). Ao chegar a uma pedra de grande dimensão, opte pelo caminho à direita para contornar a caldeira (no sentido contrário aos ponteiros do relógio). Nesta fase do trajeto aconselha-se atenção redobrada uma vez que os postes de sinalização são menores de forma a resistir aos animais.

O interior da caldeira é dominado por um sistema de zonas húmidas e por duas lagoas, alimentadas pela água das chuvas e pela água acumulada nos espessos tufos de musgão (turfeiras) existentes nas vertentes viradas a norte. É de salientar que as maiores e mais antigas turfeiras do país estão presentes nas ilhas do Corvo e Flores. Ao longo do ano, o nível da lagoa oscila, podendo subir para a zona do percurso. Opte pelo caminho mais seguro afastado das margens. Graças à sua importância hídrica, o Caldeirão do Corvo foi classificado em 2008, como sítio RAMSAR. As caraterísticas deste complexo de zonas húmidas, presentes nesta área, favorecem a presença de avifauna aquática, oferecendo condições para refúgio, alimentação e nidificação, constituindo assim uma importante zona de ocorrência e permanência sazonal de muitas espécies de aves migradoras regulares e ocasionais.

O caminho contorna a lagoa passando pelo Poço da Velha e contornando uma área pantanosa, pela esquerda, até atingir novamente a pedra grande. Nesta fase deverá subir a caldeira para o miradouro onde iniciou o percurso. Neste local existe ligação com outros pontos da ilha através do PR1COR – Cara do Índio.

Este percurso desenvolve-se numa zona classificada como Zona Especial de Conservação e Zona de Proteção Especial, no âmbito da Rede Natura 2000.

Quer receber notícias nossas?

Respeita os termos do WCAG 2.00 AA