menu logo

tamanho do texto:

Costa e Caldeirão do Corvo

Área Protegida para a Gestão de Habitats ou Espécies

gallery_thumbnail
zoom in

Galeria

Com cerca de 777 hectares e uma altitude máxima de 720 metros, esta zona inclui a maioria das falésias e ilhéus costeiros do Corvo. A sua gestão é especialmente dirigida para a intervenção ativa em determinados habitats ou em função de determinadas espécies.

As falésias inacessíveis albergam comunidades importantes, representantes da flora natural endémica da Macaronésia, bem como colónias de aves marinhas. Este tipo de habitat enquadra-se nos habitats rochosos da classificação da Rede Natura 2000. Apresenta fraturas com vegetação, cuja constituição depende da natureza geomorfológica da falésia, mas particularmente rica em espécies raras. Incluem-se ainda neste habitat taludes terrosos, muros colonizados por vegetação vascular comofítica especializada (vegetação que vive em pequenas porções de solo em descontinuidades rochosas) e biótipos de vegetação epifítica (plantas que vivem sobre outras plantas, que lhes servem de suporte). 

Esta área protegida acolhe zonas húmidas no interior dos bordos da caldeira vulcânica, o Caldeirão, e nas zonas mais altas da ilha, nas faces exteriores viradas a sul e a este. As zonas húmidas são de extrema importância na regulação do sistema hidrológico da ilha. A vegetação natural, composta por turfeiras e prados, desempenha um papel fundamental na retenção de água e no próprio microclima. De entre os tipos de habitats naturais específicos caraterísticos destacam-se: turfeiras altas ativas, turfeiras de cobertura, turfeiras arborizadas, prados mesófilos macaronésicos, matos macaronésicos endémicos e formações de euforbiáceas. 
Em termos de avifauna, destacam-se as colónias de aves marinhas como o cagarro (Calonectris borealis), o garajau-comum (Sterna hirundo) e o frulho (Puffinus lherminieri baroli). Devido à sua proximidade com o continente americano, à ausência de vegetação arbórea e à inexistência de povoados numa parte significativa da ilha, é possível observar, no Corvo, inúmeras aves raras de origem neártica e espécies ocasionais, de avistamento raro na Europa, levando muitos amantes da ornitologia a este território açoriano.
Esta área abrange uma Zona de Proteção Especial (ZPE) e uma Zona Especial de Conservação (ZEC) no âmbito da Rede Natura 2000, uma IBA (Área Importante para as Aves e Biodiversidade)  da organização BirdLife International, um Sítio Ramsar ao abrigo da Convenção Ramsar, e a sua extremidade marinha confina com uma Área Protegida de Gestão de Recursos. A ilha do Corvo está classificada, desde 2007, como Reserva da Biosfera no âmbito do Programa MAB (Man and the Biosphere – O Homem e a Biosfera) da UNESCO.

Classificações:

Sítio RAMSAR

Reserva da Biosfera

Quer receber notícias nossas?

Respeita os termos do WCAG 2.00 AA