menu logo

tamanho do texto:

Notícias

Atividade Parque Escola: A lenda do Café

Atividade Parque Escola: A lenda do Café

27 de Abril de 2021

A ilha de São Jorge apresenta uma extensa linha de costa, com arribas escarpadas, principalmente na costa norte, o que torna a paisagem mais abrupta. Na orla costeira, surgem superfícies planas, designadas por fajãs, que constituem uma característica diferenciadora da ilha, pela relação equilibrada entre o Homem e a natureza e pelas vivências únicas, paisagens e biodiversidade. Esta singularidade, permitiu que, a partir do ano de 2016, esta ilha integrasse a Rede Mundial da UNESCO, como “Reserva da Biosfera das Fajãs de São Jorge”.

As fajãs resultam da acumulação de detritos ou escoadas lávicas das erupções vulcânicas, originando terrenos férteis, que ao longo dos séculos foram utilizados para a agricultura, e onde existe um microclima.

As plantas de café, que se adaptaram ao microclima das fajãs, chegaram a São Jorge pela mão de um emigrante que, nos finais do século XVIII, viajou para o Brasil e foi trabalhar numa fazenda de plantações de café. No início do século XIX, regressou à ilha, trazendo consigo algumas sementes do café arábica.

O cafeeiro é um arbusto que pode atingir, no estado selvagem, entre 8 a 10 metros de altura. No entanto, e de forma a permitir um melhor manuseamento, o arbusto é podado, ficando com 2,5 a 3 metros de altura. As suas flores são brancas com cinco pétalas e parecidas, em aspeto e fragrância, com as do jasmim e da laranjeira. Um arbusto pode dar 30 mil flores que duram apenas três dias.

De forma a dar a conhecer e sensibilizar para a classificação de Reserva da Biosfera, a ecoteca do Parque Natural de São Jorge dinamiza, durante o ano letivo 2020/2021, no âmbito do programa Parque Escola, a ação “A Lenda do Café”, uma sessão de informação que destaca o café da ilha e a sua história, evolução e papel na cultura local e regional.

Para o pré-escolar e 1.º ciclo, é dinamizado o conto “A Lenda do Café”, da autoria de Alemu Abebe, e realizada a atividade prática “Borra de café”, que consiste na pintura de um quadro, realizado com materiais reciclados, onde a tinta é o café.

Para os restantes níveis, é realizada, igualmente, uma sessão de informação e sensibilização com recurso a uma apresentação, complementada com uma ficha de atividades.

Foto: Marta Bettencourt

Quer receber notícias nossas?

Respeita os termos do WCAG 2.00 AA