menu logo

tamanho do texto:

Ponta da Ilha PR3PIC

Tipo: Linear
Dificuldade: Difícil
Distância: 10Km
Duração: 3h
Altitude (Min / Máx): 3m / 38m

 

Como Chegar

Siga em direção à freguesia da Piedade, concelho das Lajes do Pico, seguindo o caminho à frente da igreja da Nossa Senhora da Piedade, em direção ao Calhau.



Equipamento Recomendado

Calçado apropriado para caminhadas, impermeável, chapéu, protetor solar e água.



gallery_thumbnail
zoom in

Galeria

O percurso inicia-se no Porto do Calhau, na freguesia da Piedade e percorre, na sua grande maioria, caminhos antigos junto à costa, que eram utilizados por pescadores.

Atravessa a Área da Paisagem Protegida da Cultura da Vinha, terminando no Farol, situado no lugar da Manhenha.

Num troço deste percurso, existe uma zona de nidificação de Sterna hirundo e Sterna dougallii (garajaus), pelo que entre maio e julho, deverá ser efetuado o percurso alternativo que se encontra devidamente assinalado no local.

Seguindo pelo caminho “Por Cima da Rocha”, pode observar a ermida de Nossa Senhora de Cima da Rocha, construída em 1854, bem como algumas adegas típicas. Pode ainda visualizar terrenos de vinhas e hortas com culturas tradicionais.

Passando o lugar do Cais do Galego e continuando sobre a falésia, percorra alguns caminhos empedrados, onde em tempos passavam frequentemente carros de bois, até entrar numa importante área da Rede Natura 2000, local de nidificação da espécie Calonectris borealis (cagarro).

Destacam-se a presença de espécies de flora como Euphorbia azorica (erva-leiteira), Spergularia azorica, Juniperus brevifolia (cedro-do-mato) e Erica azorica (urze).

No meio dos campos de lava, surge uma elevação junto ao mar, o Castelete, um pequeno vulcão que ficou rodeado de lava proveniente de erupções mais recentes. A sul do trilho, observe inúmeros currais de vinha, a maioria abandonados, ocupados agora por vegetação natural. Este percurso corresponde a uma alternativa ao troço junto à orla costeira, que deve ser utilizado durante o período de nidificação de uma colónia de Sterna hirundo e Sterna dougallii (garajaus), compreendido entre os meses de maio a julho.

Ao terminar o percurso, e antes de chegar à Baía da Manhenha, avistará o farol da Ponta da Ilha, e na sua proximidade, um dos mais ricos habitats costeiros no que respeita à diversidade de espécies de flora endémica, a sua maioria com estatuto de proteção, destacando-se as espécies Lotus azoricus e Myosotis maritima (não-me-esqueças).

Quer receber notícias nossas?

Respeita os termos do WCAG 2.00 AA