menu logo

tamanho do texto:

Zona Central

Área de Paisagem Protegida

gallery_thumbnail
zoom in

Galeria

Situada na zona central do Pico, esta área abrange cerca de 9518 hectares, constituindo a maior das áreas protegidas da ilha e englobando três das quatro reservas naturais: Montanha do Pico, Caveiro e Mistério da Prainha; e ainda a Área Protegida para a Gestão de Habitats ou Espécies da Lagoa do Caiado.

A Lagoa do Capitão, situada nas imediações da Montanha do Pico e a 790 metros de altitude, é abrangida por esta classificação. Esta lagoa ocupa uma depressão fechada localizada na base da escarpa de um dos mais importantes acidentes tectónicos da ilha, a Falha da Lagoa do Capitão, com orientação geral noroeste-sudeste. Este local insere-se nas formações geológicas mais antigas do designado Planalto da Achada, o qual constitui uma cordilheira vulcânica que se estende por cerca de 30 quilómetros, desde a Lagoa do Capitão até à Ponta da Ilha, no extremo oriental da ilha, e integra um total de cerca de 190 cones vulcânicos.

De pequena dimensão, a Lagoa do Capitão possui uma área de 2,6 hectares e uma profundidade máxima de 4,5 metros. No entanto, consiste numa importante reserva estratégica de água doce e desempenha um papel vital no funcionamento e manutenção dos sistemas naturais da ilha. A par de outras lagoas integradas nesta área protegida, está classificada como Massa de Água Protegida através do Plano de Ordenamento das Bacias Hidrográficas das Lagoas do Pico.

Este local oferece excelentes panorâmicas sobre a Montanha do Pico e a cordilheira vulcânica do Planalto da Achada. Para subir à Montanha, visite a Casa da Montanha, um espaço de informação ambiental e de registo obrigatório para efetuar a subida.

Por sua vez, o Pico da Urze, também integrado nesta área protegida, corresponde a um cone de escórias basálticas, com 899 metros de altitude máxima e uma cratera de explosão no seu topo, cuja atividade eruptiva teve lugar um ou dois séculos antes da descoberta da ilha e originou escoadas lávicas basálticas que se movimentaram para sul, atingindo o mar entre a localidade de Companhia de Cima e o Porto de São João.

Deste cone, é possível observar os três sistemas vulcânicos presentes na ilha do Pico. O vulcão em escudo do Topo (a sudeste) que constitui a fase inicial de formação da ilha, com cerca de 300 mil anos. A oeste, o estratovulcão da Montanha do Pico, o ponto mais alto de Portugal, com 2351 metros de altitude. E para este/nordeste avista-se o Planalto da Achada, uma zona de vulcanismo fissural constituída por um alinhamento de orientação geral noroeste-sudeste de cerca de 190 cones vulcânicos.

Nesta área protegida, destacam-se, a nível da flora, os endemismos Juniperus brevifolia (cedro-do-mato), Euphorbia stygiana (trovisco-macho), Vaccinium cylindraceum (uva-da-serra), Scabiosa nitens e Ilex azorica (azevinho).

Na fauna, evidencia-se a espécie Nyctalus azoreum (morcego dos Açores), as aves residentes Columba palumbus azorica (pombo-torcaz dos Açores), Turdus merula azorensis (melro), Fringilla coelebs moreletti (tentilhão) e a ave aquática migratória rara Mareca americana (piadeira-americana).

Nesta área protegida estão incluídos os trilhos Caminho dos Burros (PR02PIC), Lagoa do Capitão (PR13PIC) e Caminho das Lagoas (PR19PIC).

Esta área protegida integra a Zona Especial de Conservação (ZEC) Montanha, Prainha e Caveiro e a Zona de Proteção Especial (ZPE) Zona Central do Pico no âmbito da Rede Natura 2000, a Área Importante para as Aves e Biodiversidade (IBA) Zona Central do Pico, um Sítio Ramsar ao abrigo da Convenção Ramsar e o geossítio prioritário Planalto da Achada do Geoparque Açores – Geoparque Mundial da UNESCO.

Quer receber notícias nossas?

Respeita os termos do WCAG 2.00 AA