menu logo

tamanho do texto:

Geodiversidade

gallery_thumbnail
zoom in

A ilha emergiu há cerca de 800 mil anos, numa zona atualmente designada por Complexo Vulcânico da Ribeirinha, a partir de uma fratura tectónica, a mesma que deu origem à ilha do Pico, denominada Fratura Faial-Pico que se desenvolve ao longo de 350 quilómetros.

As formações rochosas que hoje constituem muitas das paisagens da ilha, nomeadamente lavas de composição basáltica e traquítica intercaladas com pedra-pomes e lahars (movimentos de massa exclusivos das regiões vulcânicas, formados pelo deslocamento de lama composta por materiais piroclásticos e água, em forma de avalanche, ao longo de vales ou de encostas íngremes), e também muitos cones de escórias submarinos e subaéreos, são o resultado de todo o processo de formação da ilha.

A ilha é constituída por dois vulcões centrais e duas regiões dominadas por vulcanismo fissural basáltico. As suas elevações convergem, de um modo geral, para o centro da ilha onde se abre uma grande cratera de abatimento, a Caldeira, com um diâmetro médio de 2 quilómetros. Na vertente a sul da Caldeira situa-se o Cabeço Gordo, que atinge uma altitude de 1043 metros.

Na ilha do Faial ocorreram três eventos vulcânicos históricos desde o seu povoamento, dos quais o mais conhecido é a erupção dos Capelinhos em 1957/58.

Quer receber notícias nossas?

Respeita os termos do WCAG 2.00 AA