2.jpg

Parque Natural da Graciosa

 

O Parque Natural da Graciosa constitui a unidade de gestão das Áreas Protegidas da ilha Graciosa e insere-se no âmbito da Rede Regional de Áreas Protegidas da Região Autónoma dos Açores.

Criado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 45/2008/A, de 5 de novembro o Parque Natural da Graciosa levou à criação de 8 Áreas Protegidas terrestres e marítimas, classificadas segundo quatro categorias da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza).

As áreas integrantes do Parque Natural da Graciosa são:

A Reserva Natural do Ilhéu de Baixo;
A Reserva Natural do Ilhéu da Praia;
O Monumento Natural da Caldeira da Graciosa;
A Área Protegida para a Gestão de Habitats ou Espécies da Ponta da Restinga;
A Área Protegida para a Gestão de Habitats ou Espécies da Ponta Branca;
A Área Protegida para a Gestão de Habitats ou Espécies da Ponta da Barca;
A Área Protegida de Gestão de Recursos da Costa Sudeste;
A Área Protegida de Gestão de Recursos da Costa Noroeste.

Em setembro de 2007, a ilha Graciosa passou a fazer parte da Rede Mundial de Reservas da Biosfera da UNESCO por decisão do Bureau do Conselho Internacional de Coordenação do Programa MAB (O Homem e a Biosfera). Tal reconhecimento reflete as características ambientais, patrimoniais e culturais únicas da ilha Graciosa de que são singular exemplo as significativas colónias de aves marinhas que nidificam nos seus ilhéus, a Furna do Enxofre, imponente caverna lávica caracterizada por ter um teto em forma de abóbada perfeita, a peculiar arquitetura rural promotora da denominada “Casa da Graciosa” e a “Arquitetura da Água”, original expressão da carência de água que sempre fustigou as gentes da ilha Graciosa.


Para mais informação consulte o sítio web siaram.azores.gov.pt